Tecnologias Ultrapassadas que Resistem ao Tempo

· Ciência, História, Invenções, Tecnologia
Autores

    Em pleno século XXI, na era da informática avançada, dos mais rápidos e eficientes meios de comunicação, dos mais práticos e fáceis dispositivos de acessos à informação e entretenimento e dos mais sofisticados tipos de aparelho que se puder imaginar, há ainda muitos aparelhos que, embora tenham sido muito úteis na época em que foram criados, hoje são totalmente ultrapassados e obsoletos, porém ainda não foram totalmente substituídos pela tecnologia moderna. Mas a que se deve essa brava sobrevivência desses verdadeiros dinossauros em meio a atual, selvagem e sedutora civilização? As explicações podem ser várias, como por exemplo: A situação financeira de algumas pessoas ou empresas que não puderam ainda trocar todos os seus equipamentos; o saudosismo das pessoas mais antigas que insistem em não mudar; a real utilidade dos aparelhos antigos; a falta de conhecimento de muitas pessoas que não conseguem se adaptar ou acompanhar o avanço dos produtos de utilidades gerais… Enfim, uma série de razões as quais não nos cabe discutir aqui, pois o que realmente importa num produto, não é a sua idade, mas sim a sua eficiência. Separei alguns deles aqui para matarmos saudades do passado… Ou será que não é tão passado assim? Duvido que você não tenha em casa pelo menos um dos objetos abaixo!

Lembra das imensas filas no supermercado e da mocinha do caixa desesperada para digitar os preços de produto por produto de todas aquelas compras? Agora, com a existência dos leitores de código barras e de sistemas de cálculos super-avançados que que fazem todo esse trabalho e imprimem o cupom fiscal em questão de segundos, a velha caixa registradora se tornou praticamente desnecessária. Portanto, não pense que é impossível vê-las por aí, pois muitos estabelecimentos comerciais ainda não se modernizaram por completo.

Lembra disso? Ele foi criado em 1947 para fazer cópias idênticas de documentos (fac-símiles – abreviadamente chamado de fax) a longa distância e não durou nem 50 anos Agora me diga: Por que eu vou ter o trabalho de alimentar essa geringonça com tinta e folhas se é mais fácil mandar ou pedir que meus contatos me mandem um e-mail que além de ser mais fácil e rápido, ainda é gratuito? Porém, para departamentos burocráticos que lidam com documentação de grande importância, ele ainda é considerado insubstituível: Somente no ano 2009 foram vendidos cerca de 500 mil aparelhos.

Essa eu gostaria de esquecer… Dá até uma tristeza quando lembro de quantas músicas ou gravações pessoais de áudio eu perdi cada vez que esse treco enrolou e virou um grande emaranhado de fitas enroladas que quando não iam pro lixo, viravam rabiola de pipa. Portanto, a fita cassete ainda não está totalmente extinta. Só o difícil é conseguir comprar um gravador para usá-la.

Já que estamos falando de fita, lembra da velha VHS, que toda vez que você ia devolver pra locadora não podia se esquecer de rebobiná-la para o início, senão teria que pagar uma taxa adicional? Isso sem falar naqueles seus vídeos de casamento e aniversários que com o tempo iam perdendo a qualidade e algumas imagens ficavam quase que indecifráveis. No entanto, há muita gente que ainda tem dezenas delas em casa pensando no que fazer porque o vídeo-cassete pifou e não consegue encontrar quem o conserte.

Será que alguém ainda sente saudades da ansiedade de tirar uma foto e ter que esperar alguns dias para ver como ela saiu? E o pior é quando estava no meio da festa, o filme acabava e na pressa de trocá-lo, um simples erro de manuseamento colocava tudo a perder: literalmente, queimava o filme. Só que por incrível que pareça, os antigos estúdios de revelação de fotografias ainda são bastante procurados por pessoas que possuem essas máquinas e tiveram dó de desfazerem-se delas.

E cadê a Polaroid? Aquela lá que revelava as fotos instantâneamente? Sua eficiência até que não era tão questionável, mas parece que não convenceu muito e, assim como a antiga câmera de filmes, ela foi praticamente pelas câmeras digitais que também podem ser encontradas em telefones celulares e outros aparelhos mais modernos. Mas, para consolar os amantes da foto instantânea, essas máquinas continuam a ser fabricadas, só que com um outro nome, pois a Polaroid não resistiu ao ataque digital.

Parece incrível, mas essa monstrenga ainda não foi totalmente substituída pelo computador. Em muitas instituições, inclusive governamentais, fazem questão de que os documentos oficiais sejam “batidos” à máquina. Talvez não seja má idéia investir num cursinho de datilografia, né não?

Essa é a famosa mídia de CD (Compact Disc). Sei que não é tão antiga assim, mas devido ao seu tamanho e a sua fragilidade está sendo rapidamente substituída pelos cartões de memória que podem ser inseridos nos IPods, celulares, computadores e dezenas de outros dispositivos bem mais práticos e modernos que têm muito mais capacidade armazenamento.

Você se lembra? Ou melhor: Você sabe o que é isso? Esse é, nada mais, nada menos, que o velho radioamador: Uma faixa de rádio criada nos anos 50 pelo governo americano também chamada de BC (Band Citizen – Banda do Cidadão), para uso popular sem que fosse necessário a pessoa estar vinculada a nenhuma emissora. Atualmente, com o avanço da interatividade através da Internet, por que eu vou querer ouvir a voz distorcida de alguém em meio à chiados e ruídos de interferência se eu posso ver e ouvir perfeitamente meus amigos através do Orkut e do MSN? Porém, na realidade, muitos ainda têm procurado adquirir licença para fazer uso do radioamador.

Sua mensagem é urgente? Mande um telegrama! Criado em 1929, suas letras são formadas por pontos e traços chamados de código morse. Ele era muito usado por pessoas que tinham urgência da entrega de suas mensagens que podiam ser transmitidas de uma Agência de Correios para outra num curto espaço de tempo. É claro que eu não preciso nem dizer que mais uma vez a agilidade e a eficiência da rede mundial de computadores conseguiu acabar com a tradição. Mas, como já era de se imaginar, os telegramas ainda não estão totalmente extintos e ainda existe muita gente que procura por esse serviço no mundo inteiro.

Esse é o velho aparelho de toca-discos, também conhecido como radiola ou gramofone, chame como quiser, como queiram chamar. Contrariando as expectativas, as mídias de CD Players e os chips não o substituíram por completo. O discão preto não morreu. Pois entre 2009 e 2010 foram vendidos quase 3 milhões de discos de vinil só nos Estados Unidos. Pensando nisso, as grandes gravadoras estão investindo em toca-discos digitais, os quais podem ser conectados ao computador para que as músicas possam ser convertidas em MP3 e ouvidas em qualquer aparelhinho digital portátil de sua preferência.

Aonde você mora? Aí chega o sinal de TV digital? E se ele chega, o preço vale a pena? Essa é uma das principais razões de a TV analógica não poder ser definitivamente inutilizada. Mas é claro, independentemente disso, há pessoas que gostam e fazem questão não simplesmente de usar o sistema tradicional de televisão, como também de continuar utilizando os aparelhos mais antigo, inclusive alguns em preto e branco. Você não sente saudades de ver o Chaves na tevezinha da vovó? Só de pensar em ter que levantar do sofá pra mudar de canal, dá uma preguiça!

Deixe uma resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: